Juros Negativos: Quem aplica em poupança pode estar perdendo dinheiro?

foto ilustrativa do juros negativo

Poupar e deixar uma reserva financeira para uma emergência ou aposentadoria na tradicional caderneta de poupança virou um péssimo negócio. Em vez de render, o dinheiro perde seu valor.

Entenda o porquê e saiba como se precaver dos juros negativos.

Taxa Selic vs Poupança

Com o novo corte de 0,25% da Taxa Selic, decidida pelo Comitê de Política Monetária, reduz o juro para o menor patamar desde o início da série histórica em 1996.

A taxa de 2% é ótima para o governo, primeiro por que o juros da dívida pública diminui e segundo, por que força o poupador a procurar outros investimentos.

Se aplicarmos dinheiro na poupança e considerarmos a inflação projetada para os próximos 12 meses, o rendimento real é NEGATIVO. Segundo cálculo da Infinity Asset teremos um juro acumulado nos próximos 12 meses de -0,71%.

De acordo com o Bacen, a poupança rende hoje 70% da Taxa Selic + TR(está zerada), com isso o retorno é de 1,40% ao ano, descontados a inflação, teremos um rendimento negativo ou perda do poder de compra.

É importante ressaltar que a taxa de juros praticada pelos bancos para empréstimos e cartão de crédito não seguem a Selic no Brasil.

O risco de inadimplência e a concentração bancária(04 bancos detém 78% do mercado) no Brasil prejudica a concorrência e penaliza o crédito no setor.

Com a menor Taxa Selic da história, a diversificação é a melhor saída.

Quais as alternativas então aos juros negativos?

imagem que ilustra com os juros negativos é hora de investir em imóveis

Primeiro, descartar qualquer exposição do seu capital em bolsa, por se tratar de renda variável, não existe NENHUMA garantia de sucesso.

Segundo, negociar com o banco um bom CDB para deixar aquela reserva de emergência. Bons retornos giram entre 120% a 150% do CDI .

Terceiro, INVISTA EM IMÓVEIS.

Juros negativos: 03 motivos para Investir em Imóveis

O imóvel é um bem inviolável, imune à quebra de bancos e não pode ser confiscado pelo governo como a poupança.

No brasil, existe um deficit habitacional que somado ao aumento populacional gera uma consistente demanda por imóveis.

Investindo na planta

Se optarmos por um imóvel na planta existe a correção do INCC que proteje o adquirente da inflação. E quando pronto, se alugado, a correção é sempre pelo IGPM. Na verdade existe um duplo ganho, primeiro na valorização do bem, segundo nos rendimentos da locação.

Mas e se a construtora quebrar?

Se existe o medo da quebra da construtora, isso ficou no passado.

Com a lei do Patrimônio de Afetação, cada empreendimento é desvinculado fazendo com que esse novo empreendimento tenha administração própria não sendo alcançado se por ventura o incorporador venha a decretar falência.

E aí? Convencido de por que investir em imóveis? Então você está pronto para contar um de nossos especialistas para saber as melhores oportunidades de investimento em Porto Alegre.